sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Orlando Padinha e a antiga igreja da Gafanha do Carmo

Orlando e esposa Rosa Maria 

Igreja anterior à atual

Orlando junto à maqueta da igreja antiga

Há tempo, visitei o meu parente e amigo Orlando Padinha e sua esposa Rosa Maria, durante a sua estada entre nós para umas férias merecidas e desejadas na sua terra-mãe. Como era de esperar das gentes das Gafanha, beneficiei de uma receção fraterna, marcada pela alegria do encontro que já não acontecia há anos. E a conversa prolongou-se sem muita pressa, apesar de eu ter compromissos inadiáveis horas depois. Evocámos os seus irmãos (Carlos, José Manuel e Conceição) e demais familiares, recordámos cenas do passado, sobretudo quando nossas mães, que eram primas direitas, se encontravam, ora na Gafanha da Nazaré ora na Gafanha do Carmo, e ainda falámos das nossas vidas e canseiras. Depois, foi a visita ao Cesário Apolinário, também parente e autêntico especialista em questões genealógicas que soube e aceitou partilhar comigo à volta do tronco comum. Mesmo acamado, espero que temporariamente, li no seu rosto a alegria de viver e o sentido profundo da descoberta dos nossos ancestrais. 
Em casa do Orlando e da Rosa Maria, apreciei o gosto pela decoração a partir de objetos de uso comum, há décadas, tudo ornamentado com fotos ampliadas dos que amam e os amaram. mas permitam-me que distinga o seu prazer pelos trabalhos manuais, em que é exímio, utilizando um manancial completo de máquinas e ferramentas, de causar inveja a muitas oficinas de serralharia e marcenaria. E não se ficando por aí, veio à baila a igreja paroquial, moderna e adaptada aos tempos litúrgicos da época em que foi construída, para substituir o velhinho templo que foi destruído para dar lugar ao atual. 
Durante a conversa, registei que a igrejinha continuava no seu coração... e com que ternura e saudade dela me falou! Vai daí, foi-me dada a oportunidade de dar de caras com uma miniatura em fase de construção, precisamente a igreja destruída, que ele deseja concluir, em maqueta, à escala, para a manter bem junto de si e dos seus. Tenho para mim que os emigrantes, longe da sua terra natal, carregam sempre consigo algo que lhes dê razões da sua existência, física e espiritual, porque eles, como todos nós, não são de pedra, têm sentimentos, emoções e memórias que se mantêm vivas, quiçá de forma mais expressiva, tornando-os mais apegados às suas matrizes. 
Um abraço para o parente e amigo Orlando Padinha e sua esposa Rosa Maria. 

Fernando Martins

NOTA: Segundo o Padre Rezende (Monografia da Gafanha), na Gafanha dos Caseiros, mais tarde Gafanha do Carmo, foi construída uma primeira capela, cuja data não conseguiu precisar, «mas que deve aproximar-se do ano de 1830 a 1840». Foi destruída e, em 1910, foi edificada outra de maiores dimensões, «a uns 450 metros mais ao poente e com orientação oposta à primitiva». Depois, veio a igreja atual, cuja história é conhecida, celebrando-se hoje, 17 de novembro, a sua inauguração e bênção.

FM

Sem comentários:

Os nossos sonhos

Para não cair no esquecimento  19 de agosto de 2016 Não falta, no seio da família, e não só, quem pressinta os nossos gostos, as n...