quinta-feira, 7 de abril de 2016

Etnográfico da Gafanha da Nazaré — O ti Retinto

O amor às tradições

O ti Retinto ao centro
Parece que ainda o estou a ver, já com os muitos anos de vida a marcarem-lhe o rosto. O senhor Manuel Retinto, mais conhecido por ti Retinto, estava ali, no palco do salão paroquial, a ouvir a conversa. Não falava mas estava atento e sempre de sorriso nos olhos. O pessoal queria saber o que é que se dançava e cantava antigamente. E o ti Retinto a ouvir… calado. 
Um do lado questiona-o:
— Ó ti Retinto, mas afinal como era? 
— Era a Farrapeira… 
E começou a dizer a letra… e a malta a repetir 
— E a dança?
— Querem ver?
Vai daí, chama a ti Maria Sarabanda e foi uma alegria ver aquela gente a dançar e a cantar a valer. O ti Retinto já era outro.
Num desses ensaios, que decorriam pela noite fora, o autor destas linhas ficou encarregado de levar o tio Retinto a sua casa. Reparou então que ele transpirava por todos os poros, tal foi o esforço despendido a cantar e a dançar.
— Será que este esforço e o suor não lhe vão fazer mal? — perguntei.
— Não pense nisso! — respondeu prontamente. E acrescentou: 
— Quando chegar a casa, com um bagaço, fico pronto para outro ensaio.

NOTA: 
Hoje, ao arrumar papelada para arranjar espaço, encontrei esta e outras fotografia. A que publico aqui tem o seguinte registo: «O Grupo Etnográfico da Gafanha da Nazaré nasceu nesta festa da Catequese de 1980/81. Como cantador, que se vê ao centro, o Tio Retinto.

sexta-feira, 1 de abril de 2016

Milagre Botânico

Roubaram-me a bicicleta 

O velho Esteiro Oudinot
A revista "Aveiro e o seu Distrito", que já não se publica, leva-me a visitá-la de quando em vez para ficar a saber um pouco mais da história da nossa região. No seu número 23/25 de 1977/1978, a ilustrar um texto, tem esta foto com a legenda que aqui deixo. Como curiosidade, há o facto de se reconhecer, há 38 anos, como milagre botânico, a existência de vegetação com água salgada por todos os lados. Isto concluo eu.
Por ali andei vezes sem conta para  apreciar o jardim. E pela estrada, que dá acesso ao Forte da Barra, andei a pé, de bicicleta e motorizada para apanhar a lancha que me levaria a São Jacinto, onde lecionei.
(...)
Costumava deixar a bicicleta encostada a um qualquer passeio, junto de muitas outras de trabalhadores do Estaleiro e da Base Aérea. Ninguém costumava mexer. Penso que não havia tantos ladrões como agora. Mas um dia, quando saltei da lancha, a dita bicicleta não estava no sítio em que a deixara. Roubaram-ma, disse para comigo. E comecei a caminhar pela estrada que ladeia o Esteiro Oudinot, rumo a casa.
De repente, um militar da Base passa por mim, em direção ao Forte, montado na minha bicicleta. Interpelei-o de imediato... e o rapaz lá confessou que precisara de ir a Aveiro. Julgava, dizia ele, que chegaria a tempo...
Pedi-lhe que se identificasse, o que ele fez muito humildemente, e eu disse-lhe quem era.  E  acrescentei que iria participar dele ao comando da Base. Disse isto só para ele medir o mal que tinha feito. Ele quase chorava... e eu fiquei com pena do rapaz.
Umas duas horas depois bate à minha porta alguém. Fui ver e era o rapaz com um sargento, que me suplicou que não participasse do militar, porque iria deixar a tropa por esses dias. Se eu avançasse com a queixa, não sairia tão cedo e certamente ficaria com a caderneta suja. É claro que os tranquilizei.

TEMPOS QUE NÃO VOLTAM…

Não sendo um nostálgico, aprecio fotografias de outros tempos. Tempos que não voltam, mas que me levam a recordar pessoas, paisagens,...