sexta-feira, 5 de agosto de 2016

O Douro


Só fiz um passeio de barco pelo Douro, há muitos anos. E seduziu-me para o resto da vida, tal foi a magia das imagens sucessivas que iam ocupando um recanto nobre do meu consciente. Algumas, com o tempo, recolheram-se no subconsciente.
Estava mesmo para iniciar o sono da noite,  quando, inesperadamente, fui alertado por aviso incessante.
— Lembras-te do passeio que fizeste há muito do Porto à Régua?
— Se lembro! — retorqui.
— Então, partilha uma foto, porque guardaste bastantes. Não vás para a cama; olha que recordar é viver. Tens todo o tempo do mundo para dormir.
E assim foi. Encontrada a foto, aqui está ela.
Reparem na tranquilidade da água do rio, nos socalcos dos montes com silhuetas bem definidos, no casario espalhado a esmo mas olhando a corrente, que, ora desliza mansinho, como naquele dia,  ora corre desalmadamente para o mar, fazendo estragos. Contemplem  as nuvens vivas e atentas ao que se passa, convictas da sua beleza, que as pinturas ou a fotografias, sem elas, nunca teriam tanta expressão. E hoje até parece que me nasceu uma alma nova a sonhar com outra viagem, trilhando o mesmo percurso.

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Serrazes — A cobra


Férias em família e com amigos enchem-nos o saco das recordações de estórias sem conta. Recordo o dia da cobra, que resolvemos guardar religiosamente para memória futura. Está cá em casa há décadas e só hoje soube como foi ela descoberta. A recordação veio do António Vilarinho que, ao comentar no Facebook uma visita que nos fez, ao Parque de Campismo de Serrazes, evoca um encontro com uma cobra... Se não é esta que hoje aqui exibo, pode ser mãe, pai, irmã, filha ou prima da que o nosso amigo Vilarinho encontrou no caminho que vai das Termas de São Pedro do Sul até Serrazes. 
Recordo que os meus filhos ma trouxeram já morta e que resolvemos mergulhá-la em álcool. Até um dia...
Obrigado, meu caro, pela partilha.

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Serrazes — Férias inesquecíveis

À espera da água para o banho
À descoberta da Pedra da Escrita
Conquista da Pedra da Escrita
No parque de campismo. Os nossos filhos com filhos de uma família de Coimbra
Por vezes perguntamo-nos por que razão ficamos presos uma vida inteira a certas terras e certas férias, mas a resposta, para nós, Fernando e Lita, está nesta foto de há décadas. E como esta há muitas outras.
Os nossos quatro filhos (Fernando, Pedro, Paulo e Aidinha, por ordem decrescente), no parque de Campismo de Serrazes, esperavam que o tanque, uma espécie de piscina, ficasse cheio de água para poderem nadar. O Paulo, que agora também é conhecido por João, e a Aida Isabel, a Aidinha, como ela exige que a tratemos, não tiveram paciência e saltaram para o tanque, ao que julgo de água gelada porque era proveniente de uma nascente. 
No verão talvez fosse aceitável. Posteriormente, e na hora certa, a água servia para regar a horta do Guarda Florestal, o qual, diga-se de passagem, fazia os seus negócios com os campistas, a quem fornecia hortaliças, coelhos, um ou outro frango, ovos e até fruta. 
Bons tempos em que pudemos viver em contacto direto com a natureza de ares renovados constantemente pela floresta verde. Perto, um ribeiro de águas transparentes permitia tomar banho para refrescar corpos e ideias. 
Aldeias típicas de ruas e ruelas estreitas, casas solarengas de famílias com raízes ancestrais, como os Malafaias, e, ainda, o monumento conhecido por Pedra da Escrita, desafiavam-nos para caminhadas frequentes.

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Chaves com muita história e boas memórias

Ponte Romana
Hoje, 1 de agosto, fui de abalada até Chaves. Sem livros nem desdobráveis turísticos. Memória ainda afinada para reviver tantos momentos agradáveis na companhia de amigos de sempre e para sempre. Ruas e ruelas, monumentos e rostos, conversas e encontros nos cafés e jardins da cidade. Ponte Romana a arrastar-nos para outras eras e outras gentes que por aqui se instalaram à volta do Tâmega, Torre de Menagem a impor respeito, termas a exigir visita. Pasteis de Chaves e Bola de Carne a fazerem crescer água na boca. A Bola da nossa amiga Nazaré Fernandes era sempre a melhor. Porquê? — perguntava eu. Segredo — respondia ela. 

De Chaves hei de falar mais à custa das minhas Memórias Soltas. 

Por hoje sugiro o que escrevi em 2005. Ver aqui

quinta-feira, 28 de julho de 2016

Caldeira do Forte da Barra


Sou deste tempo, sim senhor. Recordo perfeitamente a caldeira e o pavilhão para proteger algumas embarcações. Também recordo os trabalhadores que nas barcaças transportavam as lamas ou lodos que as dragas arrancavam do leito da laguna. Nas margens, cada trabalhador tinha de descarregar a barcaça à pazada. Corpos e roupas pretos ao jeito de quem mergulhava na lama. Trabalhos duros e sujos que a nossa juventude nem imagina.  Trabalhos de escravos em pleno século XX. 

Fonte: aqui

quarta-feira, 27 de julho de 2016

Conjunto - Guitarra e Fadistas


De vez em quando saltam-me das gavetas da memória registos como este, provavelmente da década de 90 do século passado. E não resisto... Os irmãos Serafins, sempre eles, com Maria de Fátima e Maria Alzira. Do Manuel e do José Maria sei que a guitarra e a viola continuam afinadas. Das fadistas nada sei. Mas seria interessante que um dia destes se juntassem para uns fados e guitarradas.

quinta-feira, 14 de julho de 2016

Bons tempos

Em que década?
Fotos tiradas de ângulos diferentes,
provavelmente no mesmo dia 


Porto de Pesca - Cale da Vila
Porto de Pesca - Cale da Vila
Bons tempos eram estes, representados por uma foto que andava por aqui perdida numa caixa. Bons tempo porque havia navios para a pesca do bacalhau e outros, oferecendo trabalho e pão para muita gente. Dava gosto sentir a azáfama para que o mais depressa possível tudo ficasse operacional para mais uma campanha de pesca nos mares frios da Terra Nova e da Gronelândia. Havia ausências, mas não faltava o pão para muitas famílias. Trabalhos duros de roer, é certo, mas os homens do mar eram corajosos.

quinta-feira, 7 de julho de 2016

Nossa Senhora Aparecida em Calvão, Chaves




Há anos, as nossas férias mais gostosas eram vividas em Chaves, em casa de casal muito amigo, Maria Nazaré e António Fernandes. Chegámos a trocar as nossas casas. Nós íamos para Chaves e eles vinham para a Gafanha da Nazaré. Bons tempos, que recordo de vez em quando, direi melhor, com muita frequência.
Normalmente, estas trocas aconteciam em agosto. Daqui saímos todos, eu, a Lita e os filhos, Fernando, Pedro, João Paulo e Aidinha. Se eu escrevesse Aida ela ia ficar já toda abespinhada. E eles vinham com os filhos Pedro, José Carlos e Vitor. Infelizmente, as memórias passam a registar tristezas. Já faleceu o António Fernandes e o José Carlos, na flor da vida. Continuam, porém, a encher a nossa alma.
Permitam-me que recorde que a Maria Nazaré foi professora na Escola da Marinha Velha, de quem muitas alunas me falam com saudades desses tempos.
Em Chaves passeávamos muito e hoje, quando remexia uma caixa de fotos, deparei-me com duas tiradas na Senhora Aparecida. Não tem a data, mas nota-se que a Lita era um pouquito mais nova. Vê-se bem.
Contudo, o mais engraçado é que uma placa, aplicada em 1990, diz que Nossa Senhora  Aparecida ali se terá cruzado também com três pastorinhos, em 1833, muitos anos antes de o ter feito em Fátima. Mas aquela, apesar de ter suscitado peregrinações e devoções, nunca terá chegado à fama e projeção da Nossa Senhora de Fátima, na Cova da Iria.

terça-feira, 31 de maio de 2016

Praia da Barra em dia luminoso






Hoje quebrei alguns hábitos de comodismo. Levantei-me cedo e abalei tranquilo para a Praia da Barra. Para caminhar, olhar à volta, apreciar o que há e se faz, inspirar a maresia e sentir o prazer de gozar um dia luminoso. Luz, mais luz, ausência de vento, pouca gente nas ruas, uma ou outra no areal, dragas que passam para a remoção do que possa prejudicar a navegação, numa barra que sempre precisou destes cuidados, desde que Luís Gomes de Carvalho rebentou com a ponta da bota a já ténue barreira que separava as águas do oceano e da ria. 
Entrei pela primeira vez, depois do restauro e ampliação, no mercado da Barra, passei pelo Parque de Campismo onde inúmeras vezes fui feliz com a Lita e filhos, olhei para a capela de São João que tem por companhia Santo António. Lembrei as festas e a romaria que no dia próprio se faziam ao santo popular que, milagrosamente, eliminava os cravos que surgiam nos dedos do pessoal. Tanto cravo que era oferecido ao santo… 
O povo, de perto e de longe, passava em fila indiana pela minha porta. E eu também lá fui com minha mãe e irmão, mesmo sem cravos nos dedos.
A Barra estava realmente com pouco movimento. Lojas fechadas, casas à espera de quem as ocupe para férias, o farol a encher os nossos horizontes, a fonte, qual pobre e esquecido monumento, sem torneiras nem água, que agora toda a gente prefere a dita engarrafada, os parques de crianças sem vivalma, as esplanadas à espera da hora da bica. 
Olhei o areal e tentei recordar a primeira vez que pisei a praia. Não faço ideia… Só me veio à memória, retrocedendo bem no tempo, um livro que li, estendido na areia durante umas tardes, de Joaquim Paço d’Arcos, “Memórias duma nota de banco”, editado em 1962… Tinha eu 24 anos. 
Os meus amigos hão de estranhar, mas na minha infância não havia muito a tradição de frequentar regularmente as praias. Quando muito, no verão, aos domingos, lá se ia até ao mar para saborear uma merenda… Uns anos depois, já mais crescido, a praia tornou-se predileção da juventude, e não só. Só que eu, por ter adoecido gravemente dos pulmões, fiquei proibido de respirar os ares húmidos do mar. Outros tempos. 

Fernando Martins

quinta-feira, 26 de maio de 2016

Evocando o nascimento do meu primogénito

Bebé
Quando sonhava ser craque de futebol
50 anos


Faz hoje 50 anos. Era uma hora da manhã. De um quarto do Hospital da Santa Casa da Misericórdia de Aveiro sai um choro que se tornou estridente e aflitivo, caindo no meu coração. Senti a alegria, a emoção e a certeza de que era pai. Nasceu o meu primogénito. O que veio a ser e é na vida o meu Fernando. 
Corri eufórico para o quarto. Já estava na sua primeira cama, ao lado da Lita, que me olhou com a ternura estampada no rosto. E eu fiquei sem fala. As dores passaram à história, mas a história continua e continuará. E a eternidade, minha e da Lita, ficou quase garantida neste mundo terreno. Outros filhos vieram: O António Pedro, a quem nunca chamei António; O João Paulo, que desde há pouco não prescinde do João; e a Aida Isabel, a nossa Aidinha. Um dia chamei pela Aida e ela ripostou: — Aida? Eu emendei logo: — Aidinha… desculpa. E a família ficou completa. Até que surgiram os netos: Filipa, Ricardo e Dinis. E a família ficou muito mais rica e muito mais divertida. Às vezes os filhos e netos dão-nos mais trabalho, é certo, mas quando não aparecem é uma tristeza. 
O Fernando nasceu com dificuldade. Tão aconchegado estava no seio materno que nem vontade tinha de vir para este mundo, não sei se por preguiça se por medo, se pelo barulho que terá ouvido vindo de fora se por receio do que estaria para vir, se por ter sido interrompido na hora da sesta ou do jantar. O futuro é incógnito. E quando chegou gritou que se fartou. Foi tirado à força, a ferros, como se dizia. Estranhou o frio, as fraldas e roupinhas deviam provocar-lhe cócegas, sentia-se desconfortável e ainda hoje valoriza o conforto. Não é pecado gostar de estar bem sentado a ver o seu FCP, que o tem irritado os últimos anos, para ele não ser vaidoso. O vaidoso nunca vai longe.
A sensação de paternidade e maternidade não tem explicação. Não há palavras nem teorias nem conceitos nem ciências nem artes que nos descrevam o amor, a alegria, a ternura, o prazer, a beleza e a felicidade que sentimos em todos os momentos de nos darmos aos filhos e aos netos. Há tristezas, desgostos, doenças, mas os pais acreditam sempre que depois da tempestade vem a bonança.
O meu Fernando Manuel, o Fernando ou Fernandinho como o tratamos ou como alguns o tratam (Há até quem se dirija ao Senhor Fernandinho) está pois de parabéns. Já passou das boas: Tentou a emigração, andou pelos hospitais, não evitou o enfarte, deixou de fumar (mas fala todos os dias do cigarro! Há dias andava irritadíssimo e saiu-se com esta: — Isto com dois cigarros passava.). É sina sua, mas creio que não mais voltará a perder o juízo. E neste dia, 18 de maio, tenho a certeza de que vamos brindar à sua saúde. Parabéns, Fernando.

18-V-2016